Dicas e ideias para uma alimentação saudavel
quarta-feira, fevereiro 09, 2011 | Tags: | Comentar







BENEFÍCIOS
• Óptima fonte de iodo.
• Fornecem cálcio, cobre, ferro, magnésio, potássio e zinco.
• Contêm quantidades variáveis de vitaminas do complexo B e betacaroteno.
INCONVENIENTE
• Algumas algas têm elevado teor se sódio.

As algas marinhas, há séculos utilizadas pelos Japoneses na alimentação, são um ingrediente importante da dieta macrobiótica.
Muitas algas marinhas são uma óptima fonte de iodo, mineral essencial ao bom funcionamento da tiróide. A tiróide, ou glândula tiroideia, produz hormonas que regulam o metabolismo do organismo e por isso o seu crescimento e desenvolvimento. Um sinal de deficiência de iodo é o aumento de volume da tiróide na parte da frente do pescoço, designado por bócio.
Nas costas portuguesas encontram-se especialmente a alga-perlada, que é usada como béquico e mucilaginoso e alga vesiculosa ou bodelha de mucilaginoso, e amarelo-esverdeada, púrpura ou pardo-avermelhada. Esta utiliza-se fresca ou reduzida a cinzas contra as manifestações de carência de iodo, como o bócio, e também na obesidade, diabetes, etc.
Outros minerais que normalmente se encontram nas algas marinhas são o cobre e o ferro, necessários ao sangue; o magnésio, para o normal funcionamento de músculos e nervos; o cálcio, para os ossos; o potássio, para as células e o equilíbrio de líquidos, e o zinco, para o sistema imunitário. A maior parte das algas marinhas contém algumas das vitaminas do complexo B e batacaroteno – forma vegetal da vitamina A -, mas a quantidade varia conforme o tipo de alga e a forma como é consumida. O batacaroteno é um antioxidante que pode ajudar a evitar doenças degenerativas, como o cancro, por exemplo.
Facto invulgar no mundo vegetal, as algas marinhas também contêm vitamina. Contudo, há uma controvérsia sobre se a vitamina B das algas é biologicamente activa - por outras palavras, se pode realmente ser utilizada pelo organismo.
As algas marinhas parecem ter apenas uma desvantagem - o seu elevado teor de sódio, pelo que muitas delas são contra-indicadas para pessoas que tenham se seguir uma dieta com baixo teor se sódio.
Na medicina tradicional, as algas são utilizadas desde há muito para tratar uma grande variedade de problemas, como obstipação, constipações, artrite e reumatismo.



SUPLEMENTOS DE ALGAS
Os comprimidos de algas marinhas são uma forma fácil de incluir algumas algas marinhas na dieta. Devido ao seu elevado teor de iodo, alguns fitoterapeutas receitam-nos para tratar distúrbios ligeiros da tiróide.
Os suplementos de algas de água doce (spirulina e clorela) estão a tornar-se cada vez mais populares. Contêm todos os nutrientes existentes em legumes verdes, incluindo betacaroteno, vitamina C, cálcio e ferro e ainda proteínas e vitamina B. Dizem que a spirulina é uma boa fonte de ácido gamalinolénico (AGL), um ácido gordo essencial.
Contudo, as afirmações de que estas algas são capazes de fortalecer o sistema imunitário, desintoxicar o organismo, fornecer energia e aumentar a longevidade não foram comprovadas.
Estas algas podem ser apanhadas em lagos ou cultivadas em tanques artificiais, sendo depois colhidas, secas e vendidas, quer em pó, quer sob a forma de comprimidos.

TEMPERO À BASE DE ALGAS
Nas mercearias e lojas dietécticas japonesas vendem-se folhas ou tiras secas de algas, que têm um sabor naturalmente salgado devido ao seu elevado teor de minerais.
As tiras de algas secas, desfeitas, são usadas como tempero para dar às sopas e às massas um sabor a água do mar. As tiras secas de nori são utilizadas como invólucros comestíveis de sushi e bolinhos de arroz.

TIPOS DE ALGAS
AGAR-AGAR - usada principalmente para engrossar os alimentos. É vendida em fios ou em flocos e não tem sabor, pelo que misturada com frutas é geralmente utilizada como gelatina (substitui as gelatinas de origem animal).
Devem demolhar-se poucos minutos e cozinhar-se até que a alga se dissolva; depois deve deixar-se solidificar até se obter uma excelente gelatina.
É um óptimo alimento em casos de obstipação e de excesso de peso.

ARAMÉ - alga escura, muito fina e de sabor suave que se cozinha com os vegetais. Pode ser cozinhada em vapor, salteada ou comida como salada. Rica em cálcio, ferro, iodo e outros minerais. Deve demolhar-se cerca de 15 minutos e cozinhar durante mais ou menos meia hora. O seu sabor suave mistura-se bem com outros sabores pelo constitui um bom começo para a apreciação de vegetais marinhos.
Auxilia na digestão e é excelente para problemas nos órgãos reprodutores femininos (especialmente) e masculinos.

BODELHA - também conhecida por sargaço, é uma alga castanha, rica em iodo que pode ser útil no tratamento do hipotiroidismo. Absorve ainda o suco gástrico e diminui a acidez. É uma alga fresca que pode ser usada em decocção ou infusão.

CLORELA - é uma microalga verde, de água doce, cujo nome se deve à riqueza em clorofila. Rica em nutrientes e ácidos nucleicos (DNA e RNA), apresenta propriedades desintoxicantes e estimulantes do sistema imunitário, sobretudo ao nível da actividade anti-viral. A clorela contribui ainda para controlar o colesterol, para além de ser também uma boa fonte de proteínas. É útil no crescimento das crianças, sobretudo quando há necessidade de enriquecimento nutricional e na nutrição de grávidas e durante a amamentação.

DULSE - alga vermelha (púrpura), macia, com sabor característico, usada em sopas e condimentos. Rica em minerais como o ferro, potássio, magnésio, iodo e fósforo.

HIZIKI - alga escura e comprida com textura semelhante à aramé, mas mais espessa e com um sabor a mar muito mais forte. Tem uma quantidade enorme de cálcio e também de potássio e ferro. Deve colocar-se de molho cerca de 10 minutos antes de usar, pois aumenta cinco vezes de volume quando hidratada.
O seu consumo proporciona brilho e elasticidade aos cabelos e às unhas.

IRISH MOSS - também chamada de musgo da Irlanda, é utilizada na indústria alimentar como fonte de carraginas gelatinosas para solidificar os alimentos. Apresenta uma cor entre o roxo-avermelhado e o verde-avermelhado.

KOMBU - de cor escura é mais larga e mais espessa que as outras algas. É usada para cozinhar com feijões (torna as leguminosas mais macias e digeríveis) ou com vegetais, realçando o seu sabor e ajudando na digestão das fibras. É também excelente para fazer caldos de legumes e sopas. Deve demolhar-se e demora cerca de 30 minutos a cozinhar. É bastante rica em cálcio e contém ácido glutámico, que amolece os legumes e realça o seu sabor.
Evita a formação de gases intestinais, fortalece e limpa os intestinos, aumenta a vitalidade sexual e estimula o sistema linfático. É importante no tratamento de doenças como a gota, a artrite, o reumático, a anemia, o hipotiroidismo, a digestão difícil, as colites e as dificuldades circulatórias e respiratórias.

NORI - de cor entre o verde vivo e o roxo e de folhas finas. As suas tiras secas são utilizadas como invólucro do famoso prato japonês, o sushi. Prepara-se tostando-a rapidamente na chama do fogão. Pode comer-se directamente ou parti-la em pedaços e salpicar sobre a sopa, vegetais ou feijões. É particularmente rica em ferro, potássio, iodo e proteínas. Contem também vitamina A, cálcio, ferro, vitaminas B1, B2 e C.
Elimina toxinas, favorece a digestão e activa a circulação sanguínea.

SPIRULINA - é uma microalga azul-esverdeada, que apresenta cerca de 70% de proteínas contendo 8 aminoácidos essenciais. É 58 vezes mais rica em ferro que o espinafre, e oferece ainda vitaminas do complexo B. É por isso um bom complemento alimentar para vegetarianos e desportistas. A sua riqueza em clorofila faz com que seja usada em preparados para eliminar o mau hálito. Ajuda a combater o cansaço tanto físico como intelectual e reforça o sistema imunitário.

WAKAME - de folhas verdes escuras e encaracoladas tem um sabor suave e adocicado. É principalmente usada na confecção de sopas (sopa de misso) ou em conjunto com os vegetais. Rica em iodo, proteínas, cálcio, ferro e magnésio.
Deve demolhar-se durante cerca de 20 minutos. Pode ser fervida em lume brando durante 10 a 15 minutos, ou cortada em bocadinhos para ser servida como salada. O seu veio central é rijo e deve ser retirado depois de amolecido em água fria, pois não amolece nem mesmo com a cozedura.
Neutraliza as toxinas do sangue e estimula as secreções enzimáticas. Auxilia em problemas pulmonares como por exemplo a asma ou a bronquite.




0 comentários:

Enviar um comentário

Procurar

Partilhar

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter